Arquivo da categoria ‘Recapitulação’

Recapitulação 3: Conta aberta na corretora, e agora?

Publicado: quinta-feira, 02 \02\UTC setembro \02\UTC 2010 em Digressão, Lucro, Recapitulação

Na segunda-feira desta semana estava com tudo pronto para investir na bolsa: continha aberta na corretora, home-broker funcionando direitinho, cadastro na Bovespa, muita vontade e  pouco conhecimento. Confesso que é bem legal (mesmo!) abrir o home-broker pela primeira vez, tudo piscando verde e vermelho, um monte de números e tabelas e até gráficos para dar um toque artístico, parece mesmo coisa séria. Tirando o fato de que é mesmo séria a coisa, logo de cara me senti uma criança brincando com o talonário de cheque do pai: aquilo é quase dinheiro, mas como fazer para realmente virar dinheiro, eu não faço ideia.

Ações: quebra-cabeça

Juntar as peças do quebra-cabeças chamado mercado mobiliário não é fácil.

Olhando para o volume de informações só na tela do home-broker já dá para entender como tanta gente perde dinheiro ao se aventurar no mercado. Acredito que muitas pessoas possam se sair bem nas mais diversas atividades por mero instinto, ou talento, mas, tirando os instintos básicos,  nunca sem o mínimo conhecimento do assunto. Estou convencido de que nosso cérebro é muito mais capaz do que nos conscientizamos, e que se o deixarmos operar talvez em um nível quase subliminar, ele é capaz de chegar a conclusões que não alcançaríamos se as buscássemos racionalizando, calculando, martelando… As epifanias ocorrem, via de regra, quando se desfoca o detalhe, liberando o cérebro para fazer o que ele faz de melhor: reconhecer padrões. Mas padrões, para serem reconhecidos, exigem que saibamos captar os sinais que os compõem. Ninguém reconhece estes sinais sem algum conhecimento do mercado, seus termos, sua forma de operação, seus inter-relacionamentos, os diferentes tipos de análise de ativos, etc.

Boxer dogs

Esta foi a primeira vez que eles se encontraram, hoje são casados e já tiveram 9 filhos...

Interlúdio real-time: Este post é recapitulação da segunda-feira, mas está sendo escrito na quarta, e agora mesmo (hoje) minha esposa me chama aos gritos no quarto (são 22:40h) para eu verificar os cachorros (casal de Boxers), pois estão fazendo um barulho estranho… Descubro então que minha gerência de risco canino falhou: lá está o macho agarrado na fêmea pelo órgão genital. Uma das coisas certas da vida é: quando você pensar em separar seus cães para evitar a cobertura e achar que dá para esperar pelo dia seguinte, deixe de preguiça e faça isso na hora; é igual ultrapassagem: se você acha que pode dar, não vá, pois se não tem certeza o risco de errar é fatal. Minha esposa está furiosa e ficamos algumas horas conversando para acalmar. Afinal, apenas 65% das cadelas ficam prenhes com uma cobertura. Teremos que adiantar a castração dela (R$ 850,00) para evitar esta ninhada indesejável (a primeira e última ninhada deles deu 9 filhotes, e levamos 4 meses e R$ 3.000,00 em despesas extra para encaminhá-los todos a donos responsáveis, com condições e espaço para criar Boxers). Aproveitando que parei de escrever, minha esposa vem checar o resultado da Mega-sena acumulada no site da Caixa, mas o site não está funcionando devido aos milhares acessos simultâneos de milhões de invest…jogadores. Já disse: investimento não é jogo.

Enfim, é preciso (re)conhecer estes sinais para ou raciocinar e calcular probabilística e estatisticamente as oportunidades de compra e venda, ou deixar que estes fluam para seu cérebro o que, então, permitirá que sua mente trabalhe para você em níveis muito mais avançados do que seu atual conhecimento consciente.

O primeiro modo de operação exposto acima está fora do alcança do iniciante (e até mesmo dos experientes que não devotam tempo ao estudo teórico). Sem o domínio de toda teoria subjacente não há esperança de sucesso por esta via, que, ao meu ver é apenas acessível aos verdadeiros experts em teoria de análise, tanto fundamentalista quanto técnica, com vasta experiência e ainda respaldados por softwares avançados;

Interlúdio real-time: Incrível, inacreditável, ouçam isto: minha esposa havia acertado a quadra no último sorteio da mega-sena, pegou os R$ 322,00 e jogou novamente o jogo de R$ 12,00 que sempre faz… E agora, no sorteio subsequente acumulado ela acertou a QUINA!!! Quase engulo que jogo não é investimento!!! Ficamos dando pulos de alegria pela casa, esquecemos da possível prenhez da cadela, e a viagem para os EUA que minha esposa fará no final do ano agora sairá completamente de graça. Minha esposa ficou muito excitada (infelizmente não daquele modo) para dormir e ficamos conversando por algumas horas, pensando como aproveitar esta maré de sorte toda dela, mas apesar das minhas súplicas para ela comprar 50% em títulos da Petrobrás PN (BOV:PETR4) ela acha muito arriscado, mas eu tenho certeza (intuição) de que esta ação irá subir pelo menos 15% em um mês e meio… (e não é chute)

Meu modus operandi será, por exclusão, este último baseado no que chamo Intuição Esclarecida.

Não vou explicar este termo agora, mas posso dizer que o tenho posto à prova em mais de uma década e meia trabalhando no desenvolvimento de sistemas, e seus sucessos superam os revezes, ao leitor basta saber que tentarei acumular a maior quantidade de conhecimento e informações sobre bolsa de valores e os ativos que desejo operar, tanto informações técnicas quanto do noticiário nacional e internacional, aliarei todas as análises técnicas que aprender e deixarei que a decisão final de comprar ou vender seja tomada sem que eu pare para analisar tudo em detalhe, mas sim me guiar pela minha intuição, que não será pura intuição, mas sim intuição esclarecida.

Resumindo: eu queria logo de cara comprar ações da Petrobrás porque o ativo me parecia estar perto do seu limiar de baixa e que uma alta seria inevitável. Meus amigos mais experientes me demoveram desta idéia, e como ainda não sabia o suficiente para captar os sinais do mercado, nem realizar algumas análises técnicas para me ajudarem na escolha tudo que fiz para parecer um investidor de verdade foi transferir R$ 1.000,00 da minha conta corrente para a conta da corretora. Agora sim, eu tenho dinheiro (parado) no home-broker. Mas vou resolver este problema logo com meu technical analysis crash course for investileigos: an heuristic approach (meu próximo post…)

Nota: Esta mensagem levou algumas horas para ser escrita devido aos respectivamente infelizes e felizes interlúdios.

Recapitulação 2: Como começo a investir?

Publicado: quarta-feira, 01 \01\UTC setembro \01\UTC 2010 em Estudos, Informações Úteis, Recapitulação

Ainda bem que tenho 3 colegas de trabalho (e grandes amigos) que investem na bolsa. Um deles já investiu muito, sempre me azucrinou para que eu investisse e terminou virando meu padrinho de casamento! Recorrendo aos meus amigos comecei a descobrir o que precisava para operar na bolsa. E a primeira coisa que precisava era uma corretora: não se pode operar sem corretora.

Minha procura começou com a dica de um desses amigos: TOV Corretora. Realmente o preço é imbatível: R$ 5,00 por operação realizada… Mas o que é isto? Eu não sabia nada mesmo há duas semanas atrás. Tive que aprender que uma operação pode não se realizar (você pediu um preço e o mercado não o atingiu), que corretoras cobram os mais diversos valores por operação, algumas tem taxa fixa de corretagem (como a TOV), outras cobram um percentual sobre a operação além da taxa fixa (Itaú, Bradesco). Além disso existem custos adicionais (algumas vezes pegadinhas), como o de custódia das ações (elas ficam em seu nome, mas sob custódia – eletrônica hoje em dia – da corretora), número mínimo de operações em um mês (TOV), entre outros.

Abrir a conta numa corretora não é tão simples e exige certa burocracia, como envio de documentos, preenchimento de cadastro detalhado, etc. Além do que, para operar, é preciso transferir dinheiro para a conta da corretora, para que este dinheiro seja usado na realização de suas operações de compra e para depósito do montante de suas vendas. Isto tudo é extremamente facilitado quando você opera numa corretora de um banco no qual é correntista. Como tenho conta no Bradesco e no HSBC, parti para pesquisar os custos operacionais em ambos. Não fui muito a fundo porque estou com um pouco de ojeriza do Bradesco depois que não liberaram uma compra minha num cartão de crédito que tenho (tinha) há  12 anos, e ainda negaram aumentar meu limite sem que eu mandasse mais documentos para comprovar minha renda, depois alegaram que seria mesmo impossível pois o cartão havia sido emitido há menos de 6 meses (na verdade ELES me mandaram uma nova via porque a outra venceu!). Enfim, o Bradesco cobra uma taxa de custódia de R$ 10,80 até R$ 34.882,00 e de R$ 21,6 além, e uma taxa de corretagem variável, que dá R$ 25,00 numa ordem de R$ 10 mil. O HSBC cobra taxa fixa de corretagem de R$ 18,00, e R$ 6,20 de taxa de custódia, porém, se ao menos uma ordem for realizada no mês, a respectiva taxa de custódia é liberada. Pensei em abrir uma conta no Itaú, pois meus amigos operam por lá e gostam, mas não quis me dar ao trabalho árduo de abrir conta em banco quando você não é convidado, então, por comodidade e uma breve análise selecionei a HSBC Corretora como intermediária para um futuro promissor!

Tive ainda que preencher um formulário, mas não tive dúvidas pois o mesmo é bem explicado. Precisei enviar uma cópia da minha identidade (com CPF) e comprovante de residência ou para um e-mail da corretora, ou por fax, ou por carta. Como tinha que fazer isto, pensei que demoraria para abrir a conta (no site eles informam um prazo de 48h após o cadastro), então resolvi ligar para o meu gerente do HSBC Premier para ver se ele podia fazer o cadastro para mim a fim de agilizar o processo. Fiquei dois dias tentando falar com ele e só o pegava em atendimento. Então falei com a gerente da conta da minha esposa, que não é Premier, e ela me falou que realmente é preciso fazer tudo pelo site. Então fui lá (no site) sexta-feira passada, refiz o cadastro (o Firefox guardou TODOS os valores preenchidos anteriormente para cada campo) em menos de 5 minutos, digitalizei os documentos, recebi mensagem de confirmação do cadastro no e-mail, enviei os documentos com toda a minha identificação para o e-mail solicitado (é bom dizer o HSBC apenas pede para enviar “um” e-mail com os documentos, mas não diz nada sobre qual Assunto colocar ou o que escrever no Corpo do mesmo)… Bom, quinze minutos depois, perto das 18:00 (de Sexta!) recebo um e-mail dizendo que meu cadastro esta aprovado e que eu já poderia operar na bolsa.

Certamente isto me deixou com uma ótima impressão da HSBC Corretora, e também serviu para me mostrar que quando as coisas parecem simples, às vezes podemos acreditar que realmente o sejam, e não tentar elucidar questões que não existem ligando para seu gerente… e por falar nele, não é que ele me ligou 18:10 (de Sexta!) para perguntar sobre o que eu tentava falar com ele, e ficou feliz em saber que eu já havia conseguido me cadastrar na corretora? Pois é… Minha sorte está mudando, pensei.

Recapitulação 1: O que me levou a investir?

Publicado: quarta-feira, 01 \01\UTC setembro \01\UTC 2010 em Digressão, Recapitulação

Preciso fazer uma breve recapitulação para então começar à vera com os relatos em tempo-real. Infelizmente pensei no blog umas semanas depois de decidir começar a investir, mas o leitor pode ficar tranquilo pois não tenho ainda um centavo sequer investido!

Enfim, o que me levou a investir na bolsa? Sonho do carro novo? Ambição? Aposentadoria antecipada? Esposa vs. cartão de crédito adicional? Não é fácil determinar um único fator que tenha me levado à tomar esta decisão, mas com certeza uma coisa em especial contribuiu muito: meu último aumento de “salário”.

É preciso contextualizar: trabalho há três anos (quase quatro) para uma empresa Norte-Americana. Faço parte de uma equipe montada no Brasil para terceirizar o desenvolvimento de sistemas desta empresa, devido aos altos custos de manutenção do desenvolvimento lá. A equipe Brasileira então formada deslanchou e mostrou-se 7 vezes mais produtiva, custando 4 vezes menos e com expressiva superioridade técnica e qualitativa. Era de se esperar que, em virtude desse inesperado (para eles) brilhantismo, houvesse a respectiva recompensa financeira, porém, passados três anos de prestação de serviço, apenas neste último houve algum reajuste, e este foi de exorbitantes 5%. Para fins de comparação, o IPC-A (inflação) no período ficou perto de 21%. Se eu ganhasse R$ 10.000,00 (não ganho) o reajuste seria de fantásticos R$ 500,00 (só minha contadora reajustou de R$ 415,00 para R$ 550,00 seus honorários no mesmo período!).

Certamente não foi apenas a frustração com este aumento (ou decréscimo) de “salário” que me levou à bolsa de valores. Sempre fui fascinado por carros, mas nunca me preocupei com dinheiro, nada guardando, gastando o que tinha e um pouco mais, desde que comecei a trabalhar com meus 16 anos. Hoje, com 34, casado e ainda sem meu carro dos sonhos (“tenho” um Honda Fit 2003 da minha esposa). Carro dos sonhos e despreocupação com dinheiro são coisas que normalmente não combinam.

Além disso, moro de aluguel, ainda que numa casa fantástica, de três andares, com quintal para meus dois Boxers, e ainda espaço para 36m² de tatame no 3º andar (para desespero de minha esposa), e gosto tanto daqui que sonho em comprar esta casa do dono (que quer vender), mas não tenho condições. Agora então, perto do fim do contrato de aluguel, embora nunca tenha atrasado um mês sequer, estou morrendo de medo de meu senhorio querer desocupar a casa para tentar a venda novamente (sempre é mais fácil vender imóvel desocupado). E isto me frusta mais que tudo: não poder morar no lugar que realmente quero. Não acho imóvel um investimento interessante, nem acredito que dê tranquilidade financeira, uma vez que a liquidez costuma ser bem baixa (se precisar vender tem que baixar o preço e perder dinheiro), alugar também rende menos que a poupança hoje em dia (e dá apurrinhação que não tem fim se você não encontrar um locatário como eu, adimplente e que cuide do lugar como seu)… Porém, comprar a sua casa te dá uma tranquilidade incomparável: a certeza de que existe um local, uma fortaleza que para tirarem de você só mesmo em face de um revés muito drástico, tão excepcional quanto improvável.

Poder se apegar à sua casa é uma dádiva. Aluguel sempre te deixará com um pé atrás na hora de declarar seu amor pelo local onde mora…